sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Património arquitectónico de Mil Fontes

Sendo Portugal um país rico em tradições e com uma forte crença religiosa, o Alentejo não poderia fugir à regra.

Igreja Matriz (Nossa Senhora da Graça)
Esta igreja é uma construção do séc. XVI, pertencente à Ordem de Santiago da Espada e possui uma cruz gravada na porta principal.A torre sineira originária do séc. XIX e o arco do Altar-mor são de destacar pela sua simplicidade e beleza.
No seu interior: existe uma pia de água benta que existe desde os primeiros anos da igreja.
É de notar a presença dos santos que acompanham a procissão fluvial a 15 de Agosto: S. Sebastião e Nossa Senhora da Graça.
No seu exterior: a sua fachada tem vindo a ser trabalhada ao longo dos tempos, quer por motivo de sismo quer por ataques de piratas mouriscos.


Ermida de São Sebastião

A ermida tem origem em meados do séc. XVII.
Foi construída, provavelmente, sobre uma antiga construção de características militares.








Forte de S. Clemente
É uma estrutura do séc. XVII (1602), erguida com a finalidade de protecção contra pirataria marítima, mas também para defender o comércio que se fazia a partir de Odemira.

Nos dias de hoje, o Forte de S. Clemente é residência particular e funciona como turismo de habitação.

Restauração em Arouca

Casa do Pão de Ló de Arouca
Fundada em 1840, com sede em BURGO (Arouca)

Na freguesia do Burgo, presidida por Telmo de Jesus Ferreira, os seus habitantes desde sempre se acostumaram a conviver com a doçaria local: pão-de-ló, melindres, cavacas, morcela doce, castanhas doces e rosca de amêndoa.

José Pedro Antão Gomes Tomé, que, seguidor de uma tradição de muitas gerações (pelo menos seis), já que foi um seu antepassado, da família Teixeira Pinto, que, no ano de 1840, deu início no concelho à venda de doçaria e, muito em especial, do pão-de-ló. O tradicional pão-de-ló não é uma receita de raiz conventual, mas sim da sua família, que, nos meados do século XIX, tinha o costume de fazer doces caseiros para uso próprio e para amigos. Só que depois as pessoas começaram a gostar, a pedir para repetir e, cada vez mais, a pedir para confeccionar esses doces para dar a outras pessoas... como forma de pagamento de favores, especialmente para ofertarem ao médico de família.


Restauração em Aveiro


A cidade de Aveiro tem, desde ontem, um espaço exclusivamente dedicado aos ovos moles e à doçaria tradicional: a Oficina do Doce. Situada em pleno centro da cidade (junto ao Canal Central, perto da Rota da Luz), quem visitar este espaço terá oportunidade de conhecer toda a envolvente histórica associada ao típico doce aveirense e a outros tantos doces conventuais da região.
Além de ser possível apreciar uma exposição composta por artefactos relacionados com o ex-libris da cidade e de assistir a um filme didáctico sobre os ovos moles, os visitantes podem ver, ao vivo, a sua forma de fabrico mais tradicional. Os mais arrojados poderão, mesmo, aventurar-se pela arte da doçaria à moda antiga, procedendo ao enchimento e corte destes doces, bem como provar o resultado da sua criação.
Um circuito que culmina na Lojinha do Doce, onde é possível adquirir, além dos ovos moles, artesanato representativo de Aveiro. Rui Almeida, sócio-gerente da Fabridoce, a empresa mentora do projecto, justifica a criação deste espaço com os inúmeros pedidos de visita às instalações da fábrica, “quer por parte de escolas, quer de instituições de seniores, entre outras entidades”, no sentido de assistir, in loco, à confecção dos ovos moles. Vinte anos passados desde a fundação da empresa, e tendo em conta os critérios de higiene e segurança cada vez mais exigidos, a Fabridoce entendeu ser altura de criar um espaço exclusivamente dedicado à divulgação deste processo.
A Oficina do Doce estabelece, ainda, parcerias com a Ecoria – Empresa Turística da Ria de Aveiro, a Vista Alegre e a Fábrica Centro Ciência Viva, “para que, quem visite Aveiro, possa visitar a Oficina do Doce, dar uma volta de barco e visitar o Museu da Vista Alegre”, explica Rui Almeida.
O espaço pode ser visitado das 10 às 19 às horas, por dois euros por pessoa (menores de cinco anos não pagam, e crianças dos 6 aos 12 anos pagam apenas 1,5 euros).
Fonte: Diário de Aveiro
Para saber mais, consulte: http://www.oficinadodoce.com/home.htm

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Património cultural de Vila Nova de Mil Fontes

A vila alentejana está repleta de património e a nível cultural possui um "Museu do Mar e da Terra", que recebeu uma Menção Honrosa em 2008.

A nível de associações existem:
Associação da Casa do Povo de Vila Nova de Milfontes (de que faz parte o grupo folclórico);
Associação Cultural, Desportiva e Recreativa das Brunheiras;
Clube Náutico de Milfontes e ainda o Clube de Caça e Tiro.

Festas e feiras:
Nossa Senhora da Graça é a padroeira de Milfontes, e, como tal, anualmente efectua-se no dia 8 de Agosto uma festa em sua honra, ocorrendo uma a procissão por barco. A freguesia conta com duas feiras anuais, que decorrem nas Brunheiras a 1 de Maio e 8 de Agosto.

Curiosidade:
Vila Nova de Milfontes está ligada ao grande feito da aviação portuguesa que foi a primeira travessia área entre Portugal e Macau, realizada por Brito Paes e Sarmento Beires a 7 de Abril de 1924.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Restauração em Vila Nova de Mil Fontes


     Nos restaurantes na "princesa do Alentejo"  aguardam-nos verdadeiros manjares dos deuses. Acrescentado à típica e rica cozinha alentejana, o prazer de bem receber que é tão português, apresentam-se aqui alguns restaurantes...
Uma referência na cozinha alentejana...

Restaurante “O Dunas Mil”
Eira da Pedra
7 645 Vila Nova de Milfontes
Petiscos:
Carne de Porco à Alentejana, Bife à Dunas Mil, Costeleta de Vitela na Brasa, Secretos
Massa de Cherne, Linguado Grelhado, Arroz de Tamboril, Cataplana de Cherne com Lagosta, Cataplana de Marisco, Cataplana de Tamboril

Restaurante “ Duna Parque”
Eira da Pedra
7 645 Vila Nova de Milfontes
Petiscos:
Lombinho de Porco Preto com Cogumelos Frescos, Filete de Avestruz à Portuguesa Châteaubriand com Molho Bearnaise (2 pax),Costeletas de Borrego Grelhadas com Mel e Tomilho, Bife do Lombo Café de Paris Peito de Pato com Molho de Laranja, Fondue de Avestruz , Fondue de Lombo, Linguado Méunière, Pratos Vegetarianos
sauté de Legumes com Arroz e Salada, Salada Grega

E o mais famoso...A gelataria Mabi no Lg. St Mª. 25 - A Vila Nova de Milfontes
Onde se podem deliciar com...

ReceitaS de Tentúgal

1) PASTÉIS DE TENTÚGAL

Ingredientes:

Massa:
500 gr de farinha
2 colheres de sopa de manteiga
2 dl de água
Sal q.b.
200 gr de manteiga
Açúcar em pó

Recheio:
250 g de açúcar
12 gemas de ovos

Preparação:

Massa:Peneire a farinha várias vezes para dentro de um alguidar. Faça uma cova ao centro e deite a manteiga (2 colheres de sopa) derretida. Misture bem.
Tempere a água com sal e aqueça-a. Adicione, pouco a pouco, à farinha, amassando bem até que a massa obtida se despregue das mãos.
Molde a massa em bola e coloque-a num prato previamente polvilhado com farinha, e polvilhe-a também com um pouco de farinha. Cubra-a com uma tigela aquecida e deixe repousar durante cerca de 30 minutos.

Recheio:Leve o açúcar ao lume com as gemas, até obter uns ovos moles bastante espessos.

Montagem:

Estenda um pano sobre a mesa.
Pincele a superfície da massa com um pouco de manteiga derretida e comece a retirar-lhe bocadinhos, que se estendem, primeiro, com o rolo, e, depois, se esticam com os dedos, tendo o cuidado de não a romper. Esta deve ficar tão fina como uma folha de papel de seda.
Corte esta massa em rectângulos com 14 cm por 10 cm. Não deve de aproveitar as bordas espessas de massa espessas.
Derreta manteiga (200 gr) em banho-maria. Depois sobreponha quatro folhas de massa, pincelando-as com manteiga derretida à medida que as vá sobrepondo.
Coloque duas colheres de sopa de ovos-moles sobre o rectângulo de massa (com quatro folhas) e enrole o pastel. Dobre as pontas para cima e leve-os a cozer rapidamente em forno forte. Polvilhe com açúcar em pó depois de frios.

Para ajudar na preparação dos pastéis podem sempre ver este vídeo do Youtube:



Agora vamos fazer contas...custo dos pastéis:



2) QUEIJADAS DE TENTÚGAL

INGREDIENTES:

MASSA:
500 gr de farinha de trigo sem fermento
250 gr de manteiga
água e manteiga q.b.

RECHEIO:
200 gr de queijo fresco
125 gr de açucar
2 gemas
1 colher de sopa de farinha de trigo sem fermento (não muito cheia)

PREPARAÇÃO:
Faz-se a massa com os ingredientes atráz mencionados até ficar moldável, estica-se com o rolo e forram-se as formas depois de untadas com manteiga.
Passa-se o queijo pelo passevite, junta-se o açúcar, as gemas e se ficar dura um pouquito de leite.
Enchem-se as formas com este preparado e vai a forno quente até dourarem.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Receita de Morcelas doces de Arouca

Ingredientes:
259 g. Água
500 g. Açúcar
300 g. Amêndoas pisadas
120 g. Pão (miolo)
50 g. Farinha
2 gemas de Ovos
2 Cravinhos
2 c. sopa Mel
2 c. sopa Manteiga
Tripas para encher.

Confecção:
Põe-se o açúcar ao lume com a água; logo que chegue a ponto de espadana juntam-se os restantes ingredientes. Estando tudo bem cozido e com consistência, mexendo sempre durante a cozedura, tira-se do lume e deixa-se arrefecer. Então, enchem-se tripas de porco  de 9-10 cm de comprimento com o preparado anterior.
Depois de bem atadas passam-se por água a ferver e deixam-se secar penduradas em canas sem ser no fumeiro. Conservam-se por muito tempo em sítio seco.

                  
Anúncio de 1949

                 E agora vamos às contas:

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Pão-de-ló de Ovar



Ingredientes:
10 Gemas
5 Claras
150g de açúcar
70g de farinha com fermento




Preparação:

Ligue o forno a 180º. Forre uma forma redonda com papel-manteiga e reserve.
Misture as gemas com as claras e o açúcar e bata até obter um creme espesso e volumoso. Junte a farinha aos poucos e mexa com uma colher de pau, de baixo para cima, e envolva bem.
Verta a massa na forma, já forrada com papel-manteiga, e leve ao forno durante 30 minutos.
Nota: se, ao abanar a forma, sentir que a massa de dentro ainda não está totalmente cozida não se preocupe, porque depois de frio, não vai ficar tão húmido como parece. O pão-de-ló deverá ficar com uma fina camada de ovos-moles que lhe dará um paladar irresistível.




Vamos às contas...

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Receita de Bolo Lêvedo

Bolos Lêvedos
Ingredientes:
1 kg de farinha
250 gr de açúcar
250 gr de manteiga
20 gr de fermento de padeiro
leite q.b.

 Confecção:
Peneire* a farinha com o açúcar e faça uma cova no meio onde deita o fermento, dissolvido num pouco de leite morno. Misture e junte, então, a manteiga derretida. Amasse de seguida, até obter um preparado com a consistência da massa de pão.

Deixe levedar* até de madrugada. Tenda então os bolos do tamanho de uma laranja, moldando-os à medida que vai virando as bordas para dentro. Disponha-os sobre toalhas enfarinhadas, ficando o remate virado para baixo. Tape-os e deixe-os levedar novamente (aproxidadamente 4 horas).

Estenda com as mãos um bolo de cada vez, de modo a ficarem como um disco.
Polvilhe ligeiramente uma sertã* com farinha e deixe cozer de um lado e do outro, reduzindo o calor a meio da cozedura.

Dicionário:
Peneirar: passar pela peneira.
Levedar: deixar a repousar até a massa crescer.
Sertã: espécie de frigideira de barro não vidrado.

Agora, vamos às contas...

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Esses de Azeitão

Ingredientes:
500g de farinha de trigo
300g de açúcar
250g de margarina
2 ovos
1 colher (chá) de canela
1 pitada de sal



Preparação:
Misture a farinha com o açúcar e a canela.
Abra uma cova no meio e parta para lá os ovos, junte a margarina derretida e uma pitada de sal.
Amasse tudo muito bem. Quando a massa já fizer bola, deixe-a repousar por 20 minutos.
Molde pequenas bolinhas e dê-lhes a forma de S.
Disponha-os em tabuleiros previamente forrados com papel vegetal untado com margarina derretida e leve a cozer no forno (200ºC) por cerca de 20 minutos.

Vamos às contas....

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Dom Rodrigos

Ingredientes:
6 quadrados de folha de estanho;
250 grs de fios de ovos ;
50 grs de miolo de amêndoa ralada ;
250 grs de açúcar ;
meio dl de água ;
4 gemas ;
canela q.b.



Confecção:
Num tacho coloque 200 grs de açúcar coberto de água e leve ao lume até ponto de pérola (1).
Retire do lume e misture a amêndoa. Deixe que fique morno, junte as gemas e leve novamente ao lume, mexendo até engrossar. Polvilhe com um pouco de canela.
Com o restante açúcar e água faça uma calda em ponto de fio.
Numa frigideira coloca-se a calda e leva-se ao lume. Quando ferver, deitam-se os fios de ovos e, sobre estes, mistura feita anteriormente com o açúcar, amêndoa e as gemas.
Com a ajuda de duas espátulas, enrolam-se os fios de ovos em torno do recheio, envolvendo-o completamente.
Deixe alourar e retire da frigideira.
Corte 6 quadrados de folha de estanho prateado ou colorido.
Separe a preparação em quantidades iguais pelos 6 quadrados de estanho, una as quatro pontas de cada quadrado e enrole-as.

(1) Encontra-se este ponto juntando-se o açúcar a a água e deixando ferver 2 minutos.
fonte: Região de Turismo do Algarve

Vamos às contas...

Acerca do Algarve


A doçaria algarvia ainda revela muito da passagem árabe pelo território de Portugal. Os deliciosos bolinhos de amêndoa, que se fantasiam de cores garridas e que apresentam vários formatos, são muito semelhantes a um tipo de doces que se encontra na Tunísia e no norte da África.
Feitos com as amêndoas, os figos e as alfarrobas cultivadas por todo o Algarve, os doces algarvios deixam no paladar um leve travo a tentação. Ninguém resiste aos Dom Rodrigo, morgados, morgadinhos, figos cheios, queijos de figo, figos com amêndoa e chocolate, pastéis de batata-doce de Aljezur e tantos outros doces tradicionais.